Parex Engenharia | A impossibilidade é uma condição momentânea: quem sabe disto não desiste nunca!
16522
post-template-default,single,single-post,postid-16522,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1400,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-13.4,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.5,vc_responsive

A impossibilidade é uma condição momentânea: quem sabe disto não desiste nunca!

resiliencia

A impossibilidade é uma condição momentânea: quem sabe disto não desiste nunca!

A trajetória das empresas, sejam elas pertencentes ao setor da construção ou a qualquer outro setor da economia, é cercada de momentos de grandes vitórias, mas também de situações de grandes desafios. O que caracteriza uma empresa bem-sucedida é a forma como se enfrenta os períodos difíceis. Deve-se aproveitar de seu espírito de resiliência para transformar as forças de resistência em novas competências para o futuro, fazendo uso até do questionamento do impossível.

A expressão “pensar fora da caixa” é muito utilizada em situações de grandes dificuldades, mas a visão perspicaz do “ídiche kop” – postura comum do povo judaico após diversas experiências de ameaça a sua sobrevivência – que promove um processo de questionamento do impossível por meio da recontextualização e da criatividade. Em outras palavras, é a condição do pressuposto perdedor romper as convenções que o aprisionam e recolocar-se no jogo por meio de opções até então impensadas.

Este processo de questionamento do impossível é apresentado no livro “O segredo judaico de resolução de problemas” por Nilton Bonder, consultor e autor de livros sobre diversos temas vistos sob a ótica judaica. Bonder apresenta quatro dimensões em que a realidade pode ser decomposta para a busca de caminhos até então inimagináveis.

O Aparente do Aparente – Focar a realidade

Esta dimensão representa o problema literal fazendo uso do óbvio e do concreto. Uma camada que pode abrir novas formas de compreensão dos problemas por meio de indagações. Deve-se questionar o enunciado das perguntas, responder questões com novas indagações, romper os vícios de raciocínio. É preciso saber ser ignorante para desenvolver as áreas não estéticas de nossa mente como etapa fundamental do processo do saber.

O Oculto do Aparente – Recontextualizar

Os elementos ocultos salientam os aspectos aparentes na constituição do problema metafórico. Neste ponto o reframing1, as ironias, as parábolas e as previsões ajudam a entender o oculto por trás do que se enxerga. A descoberta de novos contextos expõe os elementos ocultos e possibilita uma nova forma de se tratar a realidade. Continua-se na percepção do óbvio, no entanto sob uma condição do oculto para a avaliação de novas perspectivas.

O Aparente do Oculto – Reversibilidade

Trata-se aqui a dimensão da inconsciência de relações desconexas e poucos racionais. Assim absurdo e a intuição são insumos para que as respostas encontrem suas perguntas. Sensações, premonições, sonhos, coincidências, ingenuidades são instrumentos de geração de respostas de onde pode-se formular novos cenários ao considerar uma grande variedade de lógicas possíveis.

O Oculto do Oculto – Revelação da Essência

A última dimensão é somente acessível por meio da ação. Isto significa dizer que, ao agir interagimos com a dimensão oculta para a liberação de discernimento para o mundo aparente, mesmo não tendo compreensão total desta interação. Aqui é importante conhecer o erro para melhor identificar o acerto, sendo o ensinamento muito mais vivido do que compreendido. A procura do novo implica em estar em um estado de muita atenção para favorecer o que funciona e descartar rapidamente o que não deu certo. Assim se preserva a sabedoria daqueles cujos seus atos ultrapassam a medida de sua própria sabedoria.

Os desafios corporativos e as dimensões de Boner

Com a discussão destas quatro dimensões é possível encontrar novas posturas e formas para análise e busca de soluções em situações difíceis. Construindo um maior número de alternativas por meio de um reposicionamento em um novo contexto com novas óticas e possibilidades.

“A impossibilidade é uma condição momentânea: quem sabe disto não desiste nunca”

Esta frase de Bonder resume muito bem um novo “mindset” de resiliência para as corporações. Uma postura distinta, que exige além de uma força de acreditação no sucesso futuro, uma reflexão sobre a realidade e seus diversos aspectos não explícitos.

1Reframing é uma técnica de programação neurolinguística para dar um outro significado ao mesmo evento em sua mente.

Fontes: “O Segredo Judaico de Resolução de Problemas”. Bonder, Nilton, 2ª Ed., 2011

Créditos da imagem: Freepik